BAlelA - ARte e cULTurA Lenda da Menina dos Lenços Coloridos da Reitoria

Lenda da Menina dos Lenços Coloridos da Reitoria
                                                   
Sempre sofri com um problema chamado rinite, que é a irritação crônica da mucosa nasal. Na minha juventude, este transtorno funcionava assim: se estava frio a coriza escorria demais, mas se esquentasse minhas narinas sangravam. Por isto até hoje vivo com nariz "vazando" e estou sempre com vários lenços pequenos no bolso para me socorrer. O problema é que, como sou distraída, sempre acabo derrubando estes meus lenços pelo caminho.
Quando eu era criança, meu nariz escorria bem mais. Porém, como os lenços de pano eram artigos caros nos anos 80, eu costumava usar rolos de papel higiênico para enxugar o catarro.
Em medos dos anos 90 fui para a faculdade, na mesma época em que surgiram as famosas lojas de artigos de R$ 1,99. Ao descobrir, um comércio destes, logo pensei:
- Finalmente poderei trocar rolos de papel higiênico por lenços de pano.
Então entrei na loja e comprei várias caixas de lenços coloridos.
Só que eu notava que a cada lugar onde eu ia, um lenço desaparecia.
O campus do meu curso era na Reitoria da UFPR e o meu melhor amigo chamava-se Príncipe, um cachorro comunitário, que morava naquele local e recebia ração dos alunos.
Naquela época, eu costumava aproveitar o intervalo entre uma aula e outra, para estudar em alguma sala de aula vazia.
Um certo dia, estava estudando com a porta fechada num andar diferente de onde era o meu curso. Quando, de repente, alguém abriu e porta e disse:
- Luciana, você está aí, né?!
Então notei que era uma colega e indaguei:
- Como você me achou?
A amiga respondeu:
- Foi fácil:
- Eu segui a trilha dos lenços coloridos, que você sempre derruba no chão sem querer. Isto me lembrou o conto-de-fada chamado João e Maria, onde ele faz uma trilha de miolos de pão. Mas, os passarinhos comem.
Algum tempo depois, após tomar Sol, senti que meu nariz estava sangrando. Mas, mesmo assim, fui estudar numa sala de aula vazia. Porém, comecei a sentir tonturas e dores estranhas. De repente Príncipe, o cachorro comunitário da Reitoria, abriu a porta com vários lencinhos meus em sua boca. Assim, ele largou os panos no chão e começou a latir. Deste jeito, algumas pessoas vieram me socorrer. Logo precisei contar a trajetória que o cão fez para me salvar, sem esquecer os detalhes dos lenços.
Por isto, após este episódio surgiu a lenda da menina dos lenços coloridos da UFPR.
Luciana do Rocio Mallon
 
 
 

Um comentário:

Sônia Maria - Falando de Crochet disse...

Fátima Lobo, constatei que você é proprietária do blog http://tudosobremadeira.blogspot.com.br/2010/11/croche-ponto-baixo-e-suas-variacoes.html. Vi que você posta na integra os posts que recebe por e-mail. Peço por favor deletar todos os posts referentes ao meu blog a exemplo do indicado no link acima. Meu blog é montetizado. Minha renda do crochê vem unica e excluisivamente do meu blog. Com isso você está me causando prejuizo financeiro. Peço suas providencias e que me dê uma resposta urgente. Caso contrario serei obrigada a entrar em contato com o Google para deletar seus posts. Aguardo uma resposta sua. Espero que entenda os meus motivos.
Atenciosamente,
Sônia Maria
www.falandodecrochet.blogspot.com

Postar um comentário